X
Menu
X

Caminhada para o sucesso académico

Caminhada para o sucesso académico

 CAMINHADA PARA O SUCESSO ACADÉMICO : UMA PERSPECTIVA  PSICOPEDAGÓGICA

No inicio de cada ano Académico são traçados objectivos e alvos concretos. Ninguém é adepto do insucesso. O sucesso académico, traduzido na aprovação é a Meta.

Sim, mas ninguém quer pagar o preço: Superar barreiras e dificuldades, abdicar de alguns desejos e acima de tudo ser disciplinado.

Referimo-nos a auto disciplina. Porque uma das grandes dificuldades na carreira académica é a gestão do tempo e bons hábitos de estudo. Onde estudar? Como estudar? O que fazer quando em plena prova surge o Branco? Que factores podem interferir na hora dos estudos? A resposta a estes questionamentos motivaram este artigo, que longe de ser um receituário, é apenas um dos instrumentos para auxilia-lo para um melhor desempenho nos estudos.

Prepare sua mente antes de começar a estudar. Procure um ambiente sem ruídos, sente-se de maneira erecta e confortável, busque um local iluminado, arrumado, e limpo. Feche os olhos e controle sua respiração.

Afaste todas as preocupações do dia-a-dia criando o seu momento especial. Veja-se como um vencedor! Tenha ao seu alcance o material indispensável para estudar: Caneta, lápis, borracha, marcadores e folhas. Alimente-se antes e beba água suficiente para hidratar-se.

O que significa estudar?

Medeiros (2000, p. 13) explica que o estudo começa com a elaboração de um pequeno texto e atinge a produção de vários volumes de uma obra. E conclui “estudar é realizar experiências submetidas à análise crítica e à reflexão, com o objectivo de apreender informações que sejam úteis à resolução de problemas.” Para realizar essas experiências citadas por Medeiros, o estudante necessita estar atento a dois aspectos: recorrer a procedimentos adequados para buscar as informações, bem como estabelecer uma organização para seus estudos. Outro aspecto a considerar, é a programação das atividades de estudo e a divisão adequada do tempo.

Não é possível ter sucesso académico se não houver tempo disponível para estudar e para reflectir. “O conhecimento forma-se por fases e a quantidade de informação transforma-se em qualidade de conhecimento.” (GALLIANO, 1986, p. 53).

 

Observe as recomendações de Galiano sobre a administração do tempo:

– Planifique o seu tempo – essa é a forma correcta de “ganhar” tempo para o estudo.

– Programe a utilização de períodos vazios em sua actividade.

– Substitua o horário de uma ou mais atividades não-essenciais para obter tempo para o estudo.

– Reserve ao menos um período mínimo para estudar todos os dias.

– Não estabeleça períodos muito longos de estudo sem pausas para descanso.

Ao se estabelecer um cronograma de estudos, deve-se escolher um horário em que o estudante apresente um melhor rendimento; deixar as actividades de leitura e reflexão para o final do dia, por exemplo, pode levar ao fracasso.

O sucesso da aprendizagem, apontam as pesquisas, depende da organização, do ambiente adequado, da assiduidade e cumprimento do cronograma estabelecido e da utilização de técnicas de estudo, destacando, as técnicas de leitura.

Ao ter contacto com o material de leitura, a sua tarefa inicial é examiná-lo no todo. Como proceder? Para fazer o reconhecimento de um livro, algumas perguntas deverão ser respondidas: De que trata o livro? Quem é o autor? Que informações o autor fornece sobre o livro? Quais os temas abordados? Quando o livro foi publicado pela primeira vez? As respostas a estas questões serão obtidas verificando-se o título e o subtítulo; a capa e a contracapa; o sumário, o prefácio, a introdução, o resumo (nas monografias) e as referências.

Estes procedimentos permitem constatar se o assunto tratado na obra interessa aos propósitos do leitor. Além disso, evitará perda de tempo com leituras injustificáveis face ao objectivo do estudo ou pesquisa. Concluída esta exploração inicial e constatado o interesse pelo material, procede-se a leitura.

Estanqueiro (2008,p.69) faz a seguinte distinção: Ler para estudar é muito diferente de ler por prazer. Ao contrário da leitura recreativa (que depende dos gostos pessoais, não é obrigatório nem está sujeito a avaliação), a leitura de estudo exige esforço metódico, implicando, entre outros, os seguintes processos: consultas de dicionário, sublinhados, anotações, esquemas e resumos.

Quando consultar o dicionário? Quando encontramos expressões desconhecidas ou de sentido duvidoso e que sejam fundamentais para compreensão do texto. Vantagens: Não so ajuda a compreender melhor um texto como também enriquece o vocabulário. Enriquecendo o seu vocabulário, o estudante aperfeiçoa todas as competências comunicativas: Ler e Escrever, Escutar e Falar.

O que deve ser sublinhado? Para sublinhar bem, Estanqueiro (2008) sugere três regras:

-Dar prioridade a definições, fórmulas, palavras-chave ou frases que exprimam as ideias principais.

– Não abusar dos traços e das cores. Sublinhar tudo é o mesmo que não sublinhar nada. Em geral, basta destacar uma frase ou duas por parágrafo. Quando pretender sublinhar um parágrafo inteiro, é preferível colocar traços verticais, ao lado do texto.

– Sublinhar apenas livros pessoais. E falta de respeito pelos outros riscar livros emprestados. Além do mais, um sublinhado só funciona bem para a pessoa que o fez.

Cada pessoa deve sublinhar como gosta. O importante é que os sublinhados (mais ou menos coloridos) destaquem a informação essencial e possam dispensar uma nova leitura integral do texto no momento das revisões.

As anotações são características do leitor activo, quer dizer, aquele leitor que pensa enquanto lê e faz breves anotações, a margem dos textos, como prova do seu espírito crítico. Estas facilitam a tomada de apontamentos e as revisões.

Podem expressar-se de várias formas:

– Usando sinais de pontuação

– Números ou alíneas

– Letras diversas para fazer uma observação simples (Exemplos: B- bom ou bem) I (interessante ou importante) R- (rever …)

– Palavras-Chave ou frases curtas que sintetizem a ideia central de um parágrafo;

Anotar um livro, não é estraga-lo é enriquecê-lo.

 

A técnica de esquematizar

O esquema é uma representação sintética do texto através de gráficos, códigos e palavras. Deve ser organizado segundo uma sequência lógica onde aparecem as ideias principais, aquelas a elas subordinadas e o inter-relacionamento de fatos e ideias. A elaboração de esquemas exige a participação activa do leitor na assimilação do conteúdo, levando-o, também, a uma avaliação sobre a lógica do texto. Salomon destaca as seguintes características de um bom esquema:

  • Fidelidade ao texto
  • Estrutura lógica
  • Adequação ao assunto estudado
  • Utilidade
  • Cunho pessoal

Os mapas de ideias são a forma mais eficaz de sintetizar textos informativos.

Como se constrói um mapa de ideias?

-No centro do mapa escreve-se o tema de estudo.

-As ramificações (principais e secundárias) correspondem as informações a registar. Quanto mais próximas do centro do mapa, mais importantes são as informações.

Alguns cuidados devem ser tomados para elaboração de um esquema:

  • Só construir o esquema após a compreensão profunda do texto;
  • Seguir um critério lógico, ordenando ideias principais e secundárias;
  • Fazer esquemas que facilitem a compreensão do conteúdo.

 

A técnica de resumir

O resumo é uma condensação do texto. Apresenta as ideias essenciais e pode também trazer a interpretação do leitor, desde que este o faça separadamente. Para elaborar o resumo devem ser usados os mesmos procedimentos indicados para sublinhar e para elaborar esquemas. O objectivo do resumo é abreviar as ideias do autor sem, contudo, a

concisão de um esquema. Quando você considerar relevante, faça transcrições de palavras do próprio autor, colocando-as entre aspas e o número da página entre parênteses. Saber resumir é uma técnica essencial para quem estuda e cumpre tarefas intelectuais. Para se fazer um resumo é imprescindível a compreensão do texto lido. É de suma importância saber encontrar as ideias principais e secundárias, sublinhar e esquematizar, como já foi exposto neste texto. A principal diferença entre o esquema e o resumo reside no fato de que o esquema apresenta o texto em sequência lógica e em ordem de subordinação, e o resumo apresenta o texto de maneira condensada.

São normas práticas para elaborar um resumo:

– Compreender bem o texto, na sua globalidade, distinguindo o essencial.

– Identificar e destacar, através de sublinhados e anotações, a ideia principal de cada parágrafo ou de cada parte do texto.

– Registar numa folha de rascunho, o conjunto de várias ideias identificadas, utilizando outras palavras e não frases copiadas do texto.

-Reconstruir o texto, respeitando o plano e o pensamento da autor.

Resumir não é comentar! O comentário diz o que o leitor pensa sobre o conteúdo do texto. O resumo diz o mesmo que o texto, por outras palavras e com menos palavras. Características principais de um resumo:

– Brevidade; reduz o texto original (texto fonte) a cerca de um terço, eliminando pormenores e repetições.

– Clareza; apresenta as ideias do autor, sem confusões ou ambiguidades

– Rigor; traduz fielmente as informações essenciais do texto.

 

Conclusão

Boas noites de sono e tempo para o lazer são fundamentais para se manter a disposição para estudar. Conforme pesquisas conduzidas pelo cientista Robert Stickgold, da universidade de Harvard, nos EUA.

O “sucesso nos estudos depende da disposição para a tarefa”, Diz a Psicóloga Adriana Machado, do serviço de Psicologia Educacional da Universidade de São Paulo. Nunca deixe de anotar as principais ideias e factos explanados pelo professor durante a aula. Extraia os conceitos e palavras-chaves da aula, na hora da revisão utilize essas anotações como indicação de detalhes do assunto estudado. Releia as anotações da aula na hora do auto estudo e coloque suas próprias palavras. Tenha um pensamento crítico sobre o que lê, procure reflectir e contextualizar.

 

Por : Florêncio da Fonseca

Coronel – Psicopedagogo

Ch. Dpto de Psicopedagogia e Orientação Educacional do ISTM

 

 

 

Referencias Bibliográficas:

 

Estanqueiro, Ȃ (2008) Aprender a Estudar, Lisboa: Texto Editores, Lda

Vamos Estudar (2014) Cartilha do serviço de orientação Educacional da Escola Naval RJ- Brasil

Acto de estudar (2013), Texto de apoio EAD, Centro de Estudos de Pessoal, Exército Brasileiro – RJ , Brasil

 

Partilhar

7 comentários em “Caminhada para o sucesso académico

Florencio da Fonseca says:

Sublime oportunidade para aprender. Comentários são bem vindos. Vamos partilhar conhecimento. Só sei q nada sei! Kandandu a todos

Nelson Cangolo says:

É uma orientação que deve ser levada com muita consideração como chave do sucesso.
Obrigado Dr. Florêncio da Fonseca pelo seu arduo contributo na formação desta geração de valores.

Florencio da Fonseca says:

Muito obrigado Caro Nélson Cangolo. São incentivos como o seu gesto q nos servem de encorajamento. Aquele Kandandu.

Elvio Gonçalves says:

Excelentes Dicas! , algumas dessas dicas já venho a praticar a algum tempo, e Recomendo seriamente a quem quiser tentar.
Tá de Parabéns Caro Fonseca!

Florencio da Fonseca says:

Agradeco o seu encorajamento Exmo Elvio Goncalves. Um grande abraco.

Artur Martins says:

Na minha opinião todo o estudante deveria saber acerca destas palavras, isto porque, muitos de nós até somos donos de uma tamanha disposição para o estudo mas a forma como estudamos não é a mais adequada. Meu caso é um exemplo, neste ano era meu desejo maioral estudar no ISTM e para a realização deste desejo/sonho esforcei-me bastaste para estudar, mas, a forma como estudei não foi a mais adequada e vê-se pelo facto de que não fui admitido, não me frustrei, foi mais para eu ver que a melhor forma de estudo é sem pressão e sem sobrecarga. Para o ano porei em prática as palavras deste texto. Obrigado Coronel Florencio da Fonseca.

Florencio da Fonseca says:

Muito obrigado caro Artur Martins. E a nossa pequena contribuição, a nossa gota no oceano do conhecimento. Kandandu.

Deixar uma resposta

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *