X
Menu
X

Caminhada para o sucesso académico

Caminhada para o sucesso académico

 CAMINHADA PARA O SUCESSO ACADÉMICO : UMA PERSPECTIVA  PSICOPEDAGÓGICA

No inicio de cada ano Académico são traçados objectivos e alvos concretos. Ninguém é adepto do insucesso. O sucesso académico, traduzido na aprovação é a Meta.

Sim, mas ninguém quer pagar o preço: Superar barreiras e dificuldades, abdicar de alguns desejos e acima de tudo ser disciplinado.

Referimo-nos a auto disciplina. Porque uma das grandes dificuldades na carreira académica é a gestão do tempo e bons hábitos de estudo. Onde estudar? Como estudar? O que fazer quando em plena prova surge o Branco? Que factores podem interferir na hora dos estudos? A resposta a estes questionamentos motivaram este artigo, que longe de ser um receituário, é apenas um dos instrumentos para auxilia-lo para um melhor desempenho nos estudos.

Prepare sua mente antes de começar a estudar. Procure um ambiente sem ruídos, sente-se de maneira erecta e confortável, busque um local iluminado, arrumado, e limpo. Feche os olhos e controle sua respiração.

Afaste todas as preocupações do dia-a-dia criando o seu momento especial. Veja-se como um vencedor! Tenha ao seu alcance o material indispensável para estudar: Caneta, lápis, borracha, marcadores e folhas. Alimente-se antes e beba água suficiente para hidratar-se.

O que significa estudar?

Medeiros (2000, p. 13) explica que o estudo começa com a elaboração de um pequeno texto e atinge a produção de vários volumes de uma obra. E conclui “estudar é realizar experiências submetidas à análise crítica e à reflexão, com o objectivo de apreender informações que sejam úteis à resolução de problemas.” Para realizar essas experiências citadas por Medeiros, o estudante necessita estar atento a dois aspectos: recorrer a procedimentos adequados para buscar as informações, bem como estabelecer uma organização para seus estudos. Outro aspecto a considerar, é a programação das atividades de estudo e a divisão adequada do tempo.

Não é possível ter sucesso académico se não houver tempo disponível para estudar e para reflectir. “O conhecimento forma-se por fases e a quantidade de informação transforma-se em qualidade de conhecimento.” (GALLIANO, 1986, p. 53).

 

Observe as recomendações de Galiano sobre a administração do tempo:

– Planifique o seu tempo – essa é a forma correcta de “ganhar” tempo para o estudo.

– Programe a utilização de períodos vazios em sua actividade.

– Substitua o horário de uma ou mais atividades não-essenciais para obter tempo para o estudo.

– Reserve ao menos um período mínimo para estudar todos os dias.

– Não estabeleça períodos muito longos de estudo sem pausas para descanso.

Ao se estabelecer um cronograma de estudos, deve-se escolher um horário em que o estudante apresente um melhor rendimento; deixar as actividades de leitura e reflexão para o final do dia, por exemplo, pode levar ao fracasso.

O sucesso da aprendizagem, apontam as pesquisas, depende da organização, do ambiente adequado, da assiduidade e cumprimento do cronograma estabelecido e da utilização de técnicas de estudo, destacando, as técnicas de leitura.

Ao ter contacto com o material de leitura, a sua tarefa inicial é examiná-lo no todo. Como proceder? Para fazer o reconhecimento de um livro, algumas perguntas deverão ser respondidas: De que trata o livro? Quem é o autor? Que informações o autor fornece sobre o livro? Quais os temas abordados? Quando o livro foi publicado pela primeira vez? As respostas a estas questões serão obtidas verificando-se o título e o subtítulo; a capa e a contracapa; o sumário, o prefácio, a introdução, o resumo (nas monografias) e as referências.

Estes procedimentos permitem constatar se o assunto tratado na obra interessa aos propósitos do leitor. Além disso, evitará perda de tempo com leituras injustificáveis face ao objectivo do estudo ou pesquisa. Concluída esta exploração inicial e constatado o interesse pelo material, procede-se a leitura.

Estanqueiro (2008,p.69) faz a seguinte distinção: Ler para estudar é muito diferente de ler por prazer. Ao contrário da leitura recreativa (que depende dos gostos pessoais, não é obrigatório nem está sujeito a avaliação), a leitura de estudo exige esforço metódico, implicando, entre outros, os seguintes processos: consultas de dicionário, sublinhados, anotações, esquemas e resumos.

Quando consultar o dicionário? Quando encontramos expressões desconhecidas ou de sentido duvidoso e que sejam fundamentais para compreensão do texto. Vantagens: Não so ajuda a compreender melhor um texto como também enriquece o vocabulário. Enriquecendo o seu vocabulário, o estudante aperfeiçoa todas as competências comunicativas: Ler e Escrever, Escutar e Falar.

O que deve ser sublinhado? Para sublinhar bem, Estanqueiro (2008) sugere três regras:

-Dar prioridade a definições, fórmulas, palavras-chave ou frases que exprimam as ideias principais.

– Não abusar dos traços e das cores. Sublinhar tudo é o mesmo que não sublinhar nada. Em geral, basta destacar uma frase ou duas por parágrafo. Quando pretender sublinhar um parágrafo inteiro, é preferível colocar traços verticais, ao lado do texto.

– Sublinhar apenas livros pessoais. E falta de respeito pelos outros riscar livros emprestados. Além do mais, um sublinhado só funciona bem para a pessoa que o fez.

Cada pessoa deve sublinhar como gosta. O importante é que os sublinhados (mais ou menos coloridos) destaquem a informação essencial e possam dispensar uma nova leitura integral do texto no momento das revisões.

As anotações são características do leitor activo, quer dizer, aquele leitor que pensa enquanto lê e faz breves anotações, a margem dos textos, como prova do seu espírito crítico. Estas facilitam a tomada de apontamentos e as revisões.

Podem expressar-se de várias formas:

– Usando sinais de pontuação

– Números ou alíneas

– Letras diversas para fazer uma observação simples (Exemplos: B- bom ou bem) I (interessante ou importante) R- (rever …)

– Palavras-Chave ou frases curtas que sintetizem a ideia central de um parágrafo;

Anotar um livro, não é estraga-lo é enriquecê-lo.

 

A técnica de esquematizar

O esquema é uma representação sintética do texto através de gráficos, códigos e palavras. Deve ser organizado segundo uma sequência lógica onde aparecem as ideias principais, aquelas a elas subordinadas e o inter-relacionamento de fatos e ideias. A elaboração de esquemas exige a participação activa do leitor na assimilação do conteúdo, levando-o, também, a uma avaliação sobre a lógica do texto. Salomon destaca as seguintes características de um bom esquema:

  • Fidelidade ao texto
  • Estrutura lógica
  • Adequação ao assunto estudado
  • Utilidade
  • Cunho pessoal

Os mapas de ideias são a forma mais eficaz de sintetizar textos informativos.

Como se constrói um mapa de ideias?

-No centro do mapa escreve-se o tema de estudo.

-As ramificações (principais e secundárias) correspondem as informações a registar. Quanto mais próximas do centro do mapa, mais importantes são as informações.

Alguns cuidados devem ser tomados para elaboração de um esquema:

  • Só construir o esquema após a compreensão profunda do texto;
  • Seguir um critério lógico, ordenando ideias principais e secundárias;
  • Fazer esquemas que facilitem a compreensão do conteúdo.

 

A técnica de resumir

O resumo é uma condensação do texto. Apresenta as ideias essenciais e pode também trazer a interpretação do leitor, desde que este o faça separadamente. Para elaborar o resumo devem ser usados os mesmos procedimentos indicados para sublinhar e para elaborar esquemas. O objectivo do resumo é abreviar as ideias do autor sem, contudo, a

concisão de um esquema. Quando você considerar relevante, faça transcrições de palavras do próprio autor, colocando-as entre aspas e o número da página entre parênteses. Saber resumir é uma técnica essencial para quem estuda e cumpre tarefas intelectuais. Para se fazer um resumo é imprescindível a compreensão do texto lido. É de suma importância saber encontrar as ideias principais e secundárias, sublinhar e esquematizar, como já foi exposto neste texto. A principal diferença entre o esquema e o resumo reside no fato de que o esquema apresenta o texto em sequência lógica e em ordem de subordinação, e o resumo apresenta o texto de maneira condensada.

São normas práticas para elaborar um resumo:

– Compreender bem o texto, na sua globalidade, distinguindo o essencial.

– Identificar e destacar, através de sublinhados e anotações, a ideia principal de cada parágrafo ou de cada parte do texto.

– Registar numa folha de rascunho, o conjunto de várias ideias identificadas, utilizando outras palavras e não frases copiadas do texto.

-Reconstruir o texto, respeitando o plano e o pensamento da autor.

Resumir não é comentar! O comentário diz o que o leitor pensa sobre o conteúdo do texto. O resumo diz o mesmo que o texto, por outras palavras e com menos palavras. Características principais de um resumo:

– Brevidade; reduz o texto original (texto fonte) a cerca de um terço, eliminando pormenores e repetições.

– Clareza; apresenta as ideias do autor, sem confusões ou ambiguidades

– Rigor; traduz fielmente as informações essenciais do texto.

 

Conclusão

Boas noites de sono e tempo para o lazer são fundamentais para se manter a disposição para estudar. Conforme pesquisas conduzidas pelo cientista Robert Stickgold, da universidade de Harvard, nos EUA.

O “sucesso nos estudos depende da disposição para a tarefa”, Diz a Psicóloga Adriana Machado, do serviço de Psicologia Educacional da Universidade de São Paulo. Nunca deixe de anotar as principais ideias e factos explanados pelo professor durante a aula. Extraia os conceitos e palavras-chaves da aula, na hora da revisão utilize essas anotações como indicação de detalhes do assunto estudado. Releia as anotações da aula na hora do auto estudo e coloque suas próprias palavras. Tenha um pensamento crítico sobre o que lê, procure reflectir e contextualizar.

 

Por : Florêncio da Fonseca

Coronel – Psicopedagogo

Ch. Dpto de Psicopedagogia e Orientação Educacional do ISTM

 

 

 

Referencias Bibliográficas:

 

Estanqueiro, Ȃ (2008) Aprender a Estudar, Lisboa: Texto Editores, Lda

Vamos Estudar (2014) Cartilha do serviço de orientação Educacional da Escola Naval RJ- Brasil

Acto de estudar (2013), Texto de apoio EAD, Centro de Estudos de Pessoal, Exército Brasileiro – RJ , Brasil

 

Partilhar

4 comentários em “Caminhada para o sucesso académico

Artur Martins says:

Na minha opinião todo o estudante deveria saber acerca destas palavras, isto porque, muitos de nós até somos donos de uma tamanha disposição para o estudo mas a forma como estudamos não é a mais adequada. Meu caso é um exemplo, neste ano era meu desejo maioral estudar no ISTM e para a realização deste desejo/sonho esforcei-me bastaste para estudar, mas, a forma como estudei não foi a mais adequada e vê-se pelo facto de que não fui admitido, não me frustrei, foi mais para eu ver que a melhor forma de estudo é sem pressão e sem sobrecarga. Para o ano porei em prática as palavras deste texto. Obrigado Coronel Florencio da Fonseca.

Florencio da Fonseca says:

Muito obrigado caro Artur Martins. E a nossa pequena contribuição, a nossa gota no oceano do conhecimento. Kandandu.

julio cesar says:

Li o artigo e sugiro algumas dicas/contribuições discordantes do ponto de vista do autor:
1. O objectivo (planeamento) é feito com antecedência e não no início de cada ano lectivo. A sua preparação é prévia!
2. O sucesso acadêmico não se deve traduzir na aprovação em determinada disciplina ou curso, mas sim na aprendizagem (processo de ensino-aprendizagem mais complexo);
3. Partes do texto fazem referência a autores sem a obrigatória citação nas referências (bibliográficas). Por exemplo, no trecho “O sucesso da aprendizagem, apontam as pesquisas, depende…”, no segundo parágrafo após as recomendações de Galiano, não sinaliza na referência (bibliográfica) o (s) autor (es), entre outras passagens cuja referência igualmente não se localiza (o que para um artigo pode significar plágio);
4. A conclusão destoa do texto e não encerra a opinião do autor, além de haver citações de autores sem concordância nas referências (bibliográficas).

Chiamba Canivete,Engenheiro says:

Ideias brilhantes, aumentam a qualidade de ensino.
Aprendi muito com este artigo e recomendo esperando virem outros.
Bem haja!

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Categorias